31.7.16

Este não é um post pago

A Biblioteca do Escoteiro Mirim foi um dos elementos mais importantes da minha formação intelectual e uma das melhores lembranças da minha nfância. Agora, depois de décadas, ela está sendo reimpressa no formato de manuais temáticos (como o conteúdo foi publicado originalmente, a Biblioteca era uma reorganização). Se você tem filhos, sobrinhos ou algo assim por volta dos oito anos, compre uns e dê para eles.

30.7.16

It's oh so quiet

A ciência tem se aprofundado no estudo do silêncio - que cada vez mais raro se trna uma mercadoria bem peculiar.

"Curando a Internet desde 2001"

Antes uma palavra pouco usada e com sentido, "curadoria" hoje quer dizer qualquer coisa. Observe.

26.7.16

Nosso futuro ciborgue

Embora acreditem que diversas formas de aprimoramento humano vão se tornar comum nos próximos nos, os americanos dizem que não querem nenhuma. Eu aceito todas que não doerem.

23.7.16

1976 - 2016

No fim do mês, a última fábrica vai encerrar a produção de aparelhos de VHS. Guarde o seu para vender para os hipsters que daqui a alguns anos vão decidir que a imagem era melhor.

20.7.16

Alergias e mau jornalismo

Existem pessoas que afirmam serem alérgicas a ondas eletromagnéticas - embora ninguém nunca tenha comprovado e constantemente elas falham em testes cegos que comprovariam a alergia e tenha gente que reclamou dos males da transmissão de tv digital quando as redes analógicas fora desligadas. Para se protegerem, muitas delas se mudam para regiões onde não há rádios, serviço de celular ou eletricidade.

Recentemente, a repórter Kathleen Hale foi a Snowflake, no Arizona, onde um grupo de umas 30 pessoas vive, fugindo as suas alergias - que também incluem produtos químicos de todos os tipos. O texto é interessante, mas o comportamento de Hale não é dos melhores: ela concordou em não falar com um psiquiatra sobre as questões levantadas por suas fontes, afirmou ter sofrido de problemaas parecidos e - aparentemente - permitiu que elas lessem o texto para receber os resultados de um teste "comprovado cientificamente" que lhe daria um diagóstico.

Ao ler, fiquei dividido entre duas impressões: 1)Hale é tão maluca quanto suas fontes. 2) Ela é uma repórter que faltou as aulas de ética.


Retrospectiva precoce

Que grandes quadrinhos foram lançados no Brasil este ano e quais estão prometidos?

Terrorismo e maluquice

Nesses tempos de radicalização individual e isolada, como decidir quem é terrorista e quem é só maluco? A resposta a essa pergunta tem consequencias muito importantes.

15.7.16

Bom negócio

Giles Slade, in his book “Made to Break,” traces the term “planned obsolescence” to a 1932 pamphlet, circulated in New York, titled “Ending the Depression through Planned Obsolescence.” The term gained currency in 1936, through a similarly themed essay in Printer’s Ink, “Outmoded Durability: If Merchandise Does Not Wear Out Faster, Factories Will Be Idle, People Unemployed.”

Então me dá dois

Por que a pechincha persiste na hora de comprar um carro, quando praticamente sumiu? Hábito.


Permita-me discordar

Não se deve ler um livro de poesia como um romance, um poema atrás do outro, como se houvesse um enredo. Não se trata disso. Leia um por semana. Leve um ano lendo um livro de poesia. Vale a pena.

A escritora, ensaísta e professora Vilma Arêas disse isso em algum momento da FLIP 2016 e encontrei na Internet. Li isso e fiquei pensando em como leio poesia. Leio assim, errado, um poema atrás do outro. Sem saber direito se captei alguma coisa ou só engoli palavras. Acho que leio assim tudo que é curto. As Cidades Invisíveis de Calvino ou os Exercícios de Estilo de Queneau, arquivos de tirinhas de jornal ou na web: entro num site e leio centenas, uma atrás da outra, me prometendo parar na próxima dezena ou centena fechada, quase como se não estivesse prestando atenção. Enfim, do jeito errado, segundo essa senhora.

Mas...

Tem tirinhas que anos e anos depois eu lembro e vou procurar na Internet. Ou cito uma frase e alguém que também leu há muito tempo reconhece e ri ("Qual o segredo do Morcego?"). Poemas que lembro quase inteiros - apesar de decorar poesia não ter mais muito lugar na nossa cultura literária - ou outros de que me aparece um trecho, paro o que estou fazendo e releio. Descobri que, quando leio um livro de poesia assim, um atrás do outro, não estou exatamente "lendo", mas buscando num catálogo aqueles que vou guardar para depois.

14.7.16

"Nintendinho" ganha um novo sentido

A Nintendo vai lançar uma versão do NES que cabe na palma da mão. Serão trinta jogos na memória, entre eles Final Fantasy, Super Mario 3 e Mega Man 2.

13.7.16

E mesmo assim as pessoas insistem em puxar conversa

People like to stomp around to jams that instantly position them as scrappy and determined underdogs, overcoming tremendous odds. (...) These days, people seem to be perpetually gearing themselves up for the epic battle of merely existing. At the end of the day, jogging up to our front doors, we are all Rocky, reaching the summit, conquering that last step: “Just a man / and his will / to survive!” We rip our headphones off, triumphantly. We did it! Another day closer to death!

Inevitavelmente, Pokémon Go

A caça pelos mostrinhos deu vida a um novo tipo de flaneur - que não está muito interessado em seus arredores.

Eu queria ter umas garrafas em casa

Soylent é um líquido alimentício criado para substituir comida de verdade. Embora existam dúvidas sobre o quanto ele é saudável, ele ḿelhor que a dieta do americano médio.

Departamento de Aquisições

Como nos tempos de Cristo

Não são só cristão brasileiros que têm a crença cretina de que são perseguidos: quase metade dos americanos acredita que a discriminação contra os cristãos existe e é grave. Quase 80% dos evangálicos de lá e 75% dos republicanos são da mesma opnião.

12.7.16

Cinema japonês no YouTube

Um dos três filmes que eu mais gostaria de ter feito, Depois da Vida está disponível no YouTube. (Os outros dois são Encontros e Desencontros e Asas do Desejo.)

7.7.16

Mas nem!

I want to challenge this consensus, but not in the way you might predict. I think that, if we someday create robots with human-like cognitive and emotional capacities, we owe them more moral consideration than we would normally owe to otherwise similar human beings.

Os carros do futuro

Uma das tecnologias mais promissoras que deve chegar ao mercado nos próximos anos é o carro sem motorista. Um dos problemas é que ele tem que resolver o dilema do bonde a cada acidente provável. Na minha opinião, o certo é ele proteger o pedestre às custas do passageiro - afinal é ele que se beneficia, então é justo que ele assuma os riscos.